Voltar à página anterior

Parque Temático do Arnado

Caminho da Oliveirinha, Arcozelo 4990-146 Ponte de Lima 41° 46’ 14,2” N | 8° 35’ 19,1” W
  • Estufa Estufa
  • Jardim Barroco Jardim Barroco
  • Jardim Labirinto Jardim Labirinto
  • Jardim Renascença Jardim Renascença
  • Jardim Romano Jardim Romano
  • Jardim Barroco Jardim Barroco
  • Parque Infantil Parque Infantil
  • Estufa Estufa
Caminho da Oliveirinha, Arcozelo 4990-146 Ponte de Lima

O Parque insere-se no Projeto Global de Valorização das Margens do Rio Lima e a sua conceção procura ter uma função cultural e recreativa. A componente cultural chama a atenção do visitante para a evolução histórica da humanização da paisagem.

Nasce assim a ideia de criar um jardim temático que permita fazer uma viagem pela história da arte dos jardins, cujas raízes estão profundamente ligadas à cultura rural.

Ao mesmo tempo que se faz a reutilização das estruturas preexistentes da exploração agrícola, são integrados, nos antigos campos de cultivo, jardins eruditos característicos de diferentes épocas. No horto botânico fazem-se plantações com um sentido pedagógico, destacando-se a estufa com o lago envolvente.

A cultura rural permanece presente através dos diferentes elementos, como as ramadas com vinha, os sistemas de rega a partir do tanque e através das regueiras em granito, a nora, a grande eira e o espigueiro.

Jardim Romano

O jardim teve sempre um papel muito importante na casa romana. O visitante poderá observar a recriação de um espaço inspirado na célebre Casa dos Repuxos de Conímbriga.

Uma colunata em tijolo artesanal assinala a ideia do peristilo envolvendo o jardim de água e o triclinium abrindo sobre o lago. O jardim-peristilo constitui um espaço interior-exterior da casa romana que frequentemente permite trazer a natureza para o interior da própria habitação.

O pavimento em mosaico de calçada à portuguesa procura refletir a influência que, ainda na prática atual, a cultura romana tem nas nossas tradições culturais. O recurso a diferentes padrões de desenhos utilizados pelos romanos traduz a perenidade das formas através dos tempos, revelando a riqueza dessa gramática formal.

Jardim Labirinto

O labirinto esteve sempre presente como um símbolo na cultura Ocidental desde a lenda de Knossos na ilha de Creta.

O labirinto, construído em socalcos, evoca o palácio de Knossos, com a sua geometria clássica, e permite ao visitante ter uma vista dominante sobre o jardim. A estrutura metálica ornamentada com os jasmins (Trachelospermum jasminoides), que funciona como um mirante, favorece a contemplação, o descanso e um certo bem-estar a que não ficamos insensíveis, principalmente pelo conjunto de odores do espaço. As sebes são em buxo (Buxus sempervirens), tradicionalmente utilizado nos jardins pela sua capacidade de ser podado e pela sua rusticidade.

"O labirinto simboliza o caminho da sabedoria pelo qual passa a mensagem comum a todos os enigmas, o segredo da vida."
Jaques Attali.

Jardim Renascença

O Renascimento europeu (séculos XV-XVI) nasce em Itália e marca uma fase importante na evolução da paisagem humanizada, designadamente na arte dos jardins onde desponta a verdadeira arquitetura da paisagem.

Os jardins passam a ter uma estrutura geométrica rigorosa, muitas vezes em terraços, e onde as plantas desempenham um papel fundamental. A água é também uma presença fulcral nos jardins, pois transmite uma sensação de calma. O desenvolvimento da matemática aplicada à hidráulica permite construir mecanismos sofisticados de elevação e condução de água, criando-se cascatas e inúmeras versões de jogos de água.

A escultura assume também uma grande importância nesta época, dando sentido à mitologia grega que, através das esculturas, assumirá uma função importante na composição dos jardins. Em Portugal o azulejo começa a ser utilizado na decoração dos jardins.

As espécies dominantes neste espaço são os rododendros e as azáleas (Rhododendron).

Jardim Barroco

O jardim barroco (séculos XVII-XVIII) surge na sequência da evolução natural do jardim renascentista. A arte topiária sofre grande incremento e os jardins de buxo (Buxus sempervirens), de formas ornamentais cada vez mais complexas, constituem os chamados parterres - é o esplendor dos jardins à francesa.

A hidráulica continua a desenvolver-se e assume agora um carácter muito importante nos chamados espelhos de água, onde o reflexo permite prolongar as perspetivas, sendo frequentemente usado este efeito nos jardins da Europa Central.

Numa zona em que a arquitetura barroca tem grandes expoentes representativos, principalmente nos Solares da Ribeira Lima, este Parque não podia deixar de incluir os jardins barrocos, em que a espécie predominante, neste caso, é a Rosa.

Estufa

Os jardins botânicos surgem na Europa a partir do século XVI com a influência dos Descobrimentos, pela necessidade de aclimatar, classificar e estudar as propriedades das plantas vindas dos novos continentes. O Horto Botânico procura reunir uma coleção de plantas, sistematizada, permitindo ao visitante a sua fácil identificação.

O horto divide-se em três partes: as plantas herbáceas, incluindo as gramíneas, dividas em canteiros separados por relva; as plantas aquáticas no lago envolvente da estufa; e as plantas que se encontram no interior da estufa, muitas das quais são hoje chamadas "plantas de interior”pois necessitam de condições climáticas especiais para se desenvolverem.



Morada:
Caminho da Oliveirinha, Arcozelo
4990-146 Ponte de Lima

Coordenadas: 41º 46' 14,2" N | 8º 35' 19,1" W



Descrição
O Parque insere-se no Projeto Global de Valorização das Margens do Rio Lima e a sua conceção procura ter uma função cultural e recreativa. A componente cultural chama a atenção do visitante para a evolução histórica da humanização da paisagem.

Nasce assim a ideia de criar um jardim temático que permita fazer uma viagem pela história da arte dos jardins, cujas raízes estão profundamente ligadas à cultura rural.

Ao mesmo tempo que se faz a reutilização das estruturas preexistentes da exploração agrícola, são integrados, nos antigos campos de cultivo, jardins eruditos característicos de diferentes épocas. No horto botânico fazem-se plantações com um sentido pedagógico, destacando-se a estufa com o lago envolvente.

A cultura rural permanece presente através dos diferentes elementos, como as ramadas com vinha, os sistemas de rega a partir do tanque e através das regueiras em granito, a nora, a grande eira e o espigueiro.

Jardim Romano

O jardim teve sempre um papel muito importante na casa romana. O visitante poderá observar a recriação de um espaço inspirado na célebre Casa dos Repuxos de Conímbriga.

Uma colunata em tijolo artesanal assinala a ideia do peristilo envolvendo o jardim de água e o triclinium abrindo sobre o lago. O jardim-peristilo constitui um espaço interior-exterior da casa romana que frequentemente permite trazer a natureza para o interior da própria habitação.

O pavimento em mosaico de calçada à portuguesa procura refletir a influência que, ainda na prática atual, a cultura romana tem nas nossas tradições culturais. O recurso a diferentes padrões de desenhos utilizados pelos romanos traduz a perenidade das formas através dos tempos, revelando a riqueza dessa gramática formal.

Jardim Labirinto

O labirinto esteve sempre presente como um símbolo na cultura Ocidental desde a lenda de Knossos na ilha de Creta.

O labirinto, construído em socalcos, evoca o palácio de Knossos, com a sua geometria clássica, e permite ao visitante ter uma vista dominante sobre o jardim. A estrutura metálica ornamentada com os jasmins (Trachelospermum jasminoides), que funciona como um mirante, favorece a contemplação, o descanso e um certo bem-estar a que não ficamos insensíveis, principalmente pelo conjunto de odores do espaço. As sebes são em buxo (Buxus sempervirens), tradicionalmente utilizado nos jardins pela sua capacidade de ser podado e pela sua rusticidade.

"O labirinto simboliza o caminho da sabedoria pelo qual passa a mensagem comum a todos os enigmas, o segredo da vida."
Jaques Attali.

Jardim Renascença

O Renascimento europeu (séculos XV-XVI) nasce em Itália e marca uma fase importante na evolução da paisagem humanizada, designadamente na arte dos jardins onde desponta a verdadeira arquitetura da paisagem.

Os jardins passam a ter uma estrutura geométrica rigorosa, muitas vezes em terraços, e onde as plantas desempenham um papel fundamental. A água é também uma presença fulcral nos jardins, pois transmite uma sensação de calma. O desenvolvimento da matemática aplicada à hidráulica permite construir mecanismos sofisticados de elevação e condução de água, criando-se cascatas e inúmeras versões de jogos de água.

A escultura assume também uma grande importância nesta época, dando sentido à mitologia grega que, através das esculturas, assumirá uma função importante na composição dos jardins. Em Portugal o azulejo começa a ser utilizado na decoração dos jardins.

As espécies dominantes neste espaço são os rododendros e as azáleas (Rhododendron).

Jardim Barroco

O jardim barroco (séculos XVII-XVIII) surge na sequência da evolução natural do jardim renascentista. A arte topiária sofre grande incremento e os jardins de buxo (Buxus sempervirens), de formas ornamentais cada vez mais complexas, constituem os chamados parterres - é o esplendor dos jardins à francesa.

A hidráulica continua a desenvolver-se e assume agora um carácter muito importante nos chamados espelhos de água, onde o reflexo permite prolongar as perspetivas, sendo frequentemente usado este efeito nos jardins da Europa Central.

Numa zona em que a arquitetura barroca tem grandes expoentes representativos, principalmente nos Solares da Ribeira Lima, este Parque não podia deixar de incluir os jardins barrocos, em que a espécie predominante, neste caso, é a Rosa.

Estufa

Os jardins botânicos surgem na Europa a partir do século XVI com a influência dos Descobrimentos, pela necessidade de aclimatar, classificar e estudar as propriedades das plantas vindas dos novos continentes. O Horto Botânico procura reunir uma coleção de plantas, sistematizada, permitindo ao visitante a sua fácil identificação.

O horto divide-se em três partes: as plantas herbáceas, incluindo as gramíneas, dividas em canteiros separados por relva; as plantas aquáticas no lago envolvente da estufa; e as plantas que se encontram no interior da estufa, muitas das quais são hoje chamadas "plantas de interior”pois necessitam de condições climáticas especiais para se desenvolverem.
Contactos
Morada:
Caminho da Oliveirinha, Arcozelo
4990-146 Ponte de Lima

Coordenadas: 41º 46' 14,2" N | 8º 35' 19,1" W
Visite Ponte de Lima
Visite Ponte de Lima
© 2018
PortoNorte